quarta-feira, dezembro 24, 2008

O Bom Natal

Lembro-me de antes de me deitar, na noite de 24 para 25, ir espreitar à árvore se o Pai Natal já tinha passado. Mas não, a árvore estava sempre despida de presentes antes de eu me deitar. Ia para a cama na esperança de rapidamente adormecer para que depressa fossem horas de acordar e abrir os presentes do Pai Natal. Com a ansiedade de saber o que receberia, era normal levantar-me da cama e espreitar de novo para a árvore, voltando novamente à cama. Era capaz de repetir o ritual até que o cansaço me vencesse. Entre as 6 e as 7 da manhã tocava o despertador que eu punha para acordar cedo e finalmente atacar os presentes. Lá ia eu pela casa ainda escura, em silêncio para não acordar ninguém. E, naquele momento, enquanto abria os presentes, os meus olhos brilhavam, o meu mundo por momentos era aquele e só aquele... eu, a árvore, a sala apenas iluminada pelas luzes da árvore e os presentes já revelados. Nunca me olhei ao espelho nesse momento, mas consigo adivinhar o brilho que os meus olhos apresentavam. Isso só por si não é o Natal, mas faz parte dele. E quando ouço ou leio pessoas a dizer que não gostam do Natal, pergunto-me se essas pessoas realmente não gostarão de pelo menos ver o encanto com que as crianças encaram esta época. E nem é só encanto pelas prendas, é também por estarem rodeadas de pessoas que por razões várias poucas vezes conseguem estar juntas. Será possível não gostarem disso? Se sim, então algo de errado se passa. Ou comigo, ou com essas pessoas.


Nota: Assina o feed deste blog ou recebe todos os posts por email. Podes também acompanhar o blog no Twitter e no Facebook.

9 Comentários:

Mel disse...

Concordo contigo, mas no entanto, nunca acreditei no Pai Natal...
Passava os 2 dias anteriores à véspera de Natal a tentar convencer os meus pais a deixarem-me espreitar para lá dos embrulhos. Mas o que eu gostava mesmo era da família toda reunida, da confusão, dos gritos e da mesa cheia.

Feliz Natal, menino Afectado...;)

Pronuncia disse...

Lindo!

Há coisas que não se esquecem!

Sem dúvida que o Natal é uma época especial, especialmente para os miúdos!

Beijinho.

ipsis verbis disse...

"Entre as 6 e as 7 da manhã tocava o despertador que eu punha para acordar cedo e finalmente atacar os presentes. Lá ia eu pela casa ainda escura, em silêncio para não acordar ninguém."

Eu acordava os manos e íamos os 3 abrir os presentes... e é verdade, os olhos brilhavam.

"Será possível não gostarem disso?"

Eu gosto de estar rodeada pela família, que cada vez vejo menos :( Adoro a troca de presentes que se faz, seja natal ou não. Adoro mimá-los e acarinhá-los. Para mim, isso é o mais importante.

"então algo de errado se passa. Ou comigo, ou com essas pessoas."

Não há nada de errado com essas pessoas. Há apenas outra maneira de encarar o dia depois da dismistificação.
De há uns anos para cá, o Natal para mim, tem sido quando eu posso estar com a minha família. O dia deixou de ter o sentido que tinha quando todos os natais eram passados com eles, e tudo se fazia a preceito como sempre acontecia. Por isso, cada dia 24 de Dezembro que eu não passo com a família, é um dia normal como outro qualquer. Ou quase, porque eu queria comprar tabaco quando saí do trabalho e às 19h horas o mundo fechou para consoadas! (espero que o indiano ali em baixo abra como todos os dias às 21h) AHAHAH...

de Marte disse...

Afectado,
já estava farta de ler posts sobre o negativo do natal, o consumismo e bla bla bla!!
Fazia falta o teu brilhozinho nos olhos!
Porreiro, pah!
Obrigada!!

(é que se ninguém escrevesse, teria eu de escrever. Já me poupaste umas linhas...)

Beijinhos de Marte e UM NATAL BRILHANTE

afectado disse...

mel, eu só me lembro de acreditar 1 ou 2 anos. mas após isso aqui ainda se manteve por uns anos a tradição de só me darem os "presentes do pai natal" depois de eu adormecer.

afectado disse...

pronuncia, deste ritual não me esqueço mesmo. lembro-me como se fosse hoje de estar sentado à frente da árvore a experimentar os brinquedos novos...

afectado disse...

ipsis, não referi essa parte. eu ia com o meu irmão também.

reconhecerás que o natal é uma época diferente do resto do ano. tem outro encanto...

claro que se não passas o dia 24 com a família, este te passa um bocado ao lado (exceptuando a parte do tabaco, claro :P)

é bom estar com a familia em qualquer altura do ano, mas nesta altura há algo diferente. you know what i mean!

afectado disse...

de marte, foi a minha prenda de natal para ti :P

Allie disse...

Eu gosto do Natal. Gosto das músicas, do frio, do cheiro, da azáfama em preparar tudo. Mas, as coisas já não são o que eram, mesmo com crianças. Quando eu era criança, vivia toda essa magia de esperar pelos presentes, mesmo já sabendo que eram dados pelos pais, apenas porque não era todos os dias como agora.A própria comida, os doces especialmente, não era todos os dias aquilo. E hoje é qd quiseres. Qualquer padaria tem bolos e doces. E mesmo as crianças, e eu tenho uma afilhada de 5 anos, já têm tantos brinquedos, que ao receberem os do "pai natal" não demonstram tanta emoção como eu o fazia, e quase meia hora depois já nem ligam ao que receberem. Além do mais, qd tens avós ainda se vê à verdadeira reunião de familia, mas dp destes falecerem, a familia reduz-se, e as guerras mantêm-se.

Enviar um comentário

Comenta à vontade, estejas ou não de acordo com o que por cá é dito. No caso de te quereres armar em espertinho, lembra-te: "para parvo, parvo e meio". Bons comentários!

A afectar a blogosfera desde 1 de Maio de 2005. afectado@gmail.com

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO